Nordeste: praias fora das capitais

Até há uns 20 anos, as praias mais conhecidas do Nordeste eram as praias urbanas das capitais.

Assim, a maioria dos privilegiados turistas que vinham ao Nordeste costumavam ficar em Boa Viagem (Recife), Iracema ou Praia do Futuro (Fortaleza), Ponta Negra ou Praia do Meio (Natal), e Tambaú (João Pessoa). Fora das capitais, havia pouca infraestrutura de serviços turísticos (como hoteis e restaurantes), e os meios de acesso eram limitados.

Com o crescimento das capitais, dois fenômenos se observaram: primeiro, a crescente classe média começou a procurar alternativas para descanso nos períodos de férias ou feriados prolongados, fora da agitação urbana; e, à medida que a infraestrutura era criada para atender a esse movimento local, criavam-se as condições para o crescimento do turismo externo.

Um bom exemplo é Porto de Galinhas, em Pernambuco. Até o início dos anos 80, era conhecida apenas como sede da residência de praia do Governador de Pernambuco (o terreno foi vendido e virou objeto de especulação imobiliária). Na virada para os 90, atraídos pelos elogios dos surfistas (em geral, pioneiroradores) a Maracaípe, a classe média começa a visitar Ipojuca e Muro Alto; isso impulsiona o surgimento de pousadas e barracas na praia (Beijupirá, o restaurante mais badalado de Porto, é ainda nada mais que uma barraca vitaminada). Nos anos 90, Luciano do Valle, o narrador esportivo, apaixona-se por Porto de Galinhas, estabelece-se por lá e começa a fazer propaganda do local (e, claro, investimentos imobiliários – Luciano é dono de pousada em Porto).

No final dos anos 90, Porto de Galinhas era o maior point da costa pernambucana (tomando um posto que antes era da Ilha de Itamaracá). As agências de turismo descobriram Porto de Galinhas, e o turismo explodiu. O Governo se viu obrigado a fazer ou induzir investimentos maciços em estrutura (estradas, telecomunicações, energia, etc), e a ex-tranquila praia tornou-se ponto de atração nacional.

Outro exemplo parecido é Pipa, na costa potiguar. A região de Tibau do Sul era, até o início dos anos 80, conhecidas por surfistas e hippies, que desbravavam caminhos entre a Mata para chegar às melhores praias. Esses pioneiros foram seguidos não pela classe média de Natal (esta preferiu ficar nas praias mais próximas, como Búzios e Pirangi, que até hoje ficam lotadas de natalenses nos fins de semana prolongados), mas sim pelos surfistas e hippies de outros Estados e outros países.

Muitos desses que vieram resolveram ficar, e para se sustentarem criaram negócios (pousadas e barracas) para os outros que chegavam. Pipa explodiu para o turismo também no início dos anos 90; e com uma diferença em relação a Porto: como os espaços são mais escassos, a ocupação foi mais rápida e mais desordenada.

Isso explica por que Pipa tem presença tão grande de estrangeiros, e por que a parte central da vila é tão desorganizada.

De forma análoga, o Ceará viu crescer a popularidade e massificação de Canoa Quebrada e Jericoacoara (Jeri é um pouco mais protegida, por causa da maior distância de Fortaleza), e João Pessoa começa a ver despontar Tambaba.

Mas à medida que a tranquilidade dessas praias começa a se tornar demasiado agitada, outras candidatas surgem para o posto de “novo refúgio paradisíaco”.

Em Pernambuco, turistas começam a preferir Tamandaré ou a Praia dos Carneiros, no litoral sul, ou mesmo a ainda-semi deserta Carne de Vaca, na proximidade com a Paraíba. A Paraíba tem mais praias a serem desvendadas, como a já semi-famosa Jacumã, ou a mais isolada Baía da Traição. A costa potiguar, principalmente nos trechos norte e oeste, está praticamente toda por se desenvolver: São Miguel do Gostoso, Galinhos, Serra do Mel. E no Ceará, tem-se desde Icapuí, no extremo leste, até Camocim, no extremo oeste.

Há muito o que se explorar ainda, nas praias do Nordeste.

Anúncios
Esse post foi publicado em fortaleza, joao pessoa, natal, recife e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s